segunda-feira, 29 de setembro de 2014

O Corpo Faz Parte do Coração

A boca faz coisas do coração
a boca faz sorriso
a boca faz bico
As mãos fazem coisas do coração
a mão da dedo
a mão da positivo
Os olhos fazem coisas do coração
os olhos piscam
os olhos contemplam
O pinto faz coisas do coração
fica ereto 
apontando
As pernas fazem coisas do coração
as pernas tremem de medo
tremem no gozo 

domingo, 28 de setembro de 2014

Que de dia se estia um azul. quando chove se estia um vermelho. O mar se estia de azul que de dia clareia que de noite se estia sombrio. A tanto azul dentro do mar. As cidades se estendem de ruas, que de dia se estiam de sol e sombras. As ruas paradas, passageiras, carregam pés, que de dia se estendem nos nossos pesos, que a noite descansam em pé. Uma pedra é cheia de cinza e solidão. Uma porta é cheia de casa e pessoas, passados. as palavras são cheias de sem noção, que de dia invertem as coisas pra nadar contra corrente, que de noite ressoa pra fazer dormir. A tanta coisa nas coisas que elas ficam estendidas. Da janela estendida na parede o poeta caminha seu olhar para a cidade.