sexta-feira, 27 de março de 2015

Palavra

Palavra por palavra ia-se compondo num caderno:
Bons sons pinturas casacos laços
Enchia-se na imensidão do nada
Preenchia esse vazio um poeta
Eram tudo coisa
Coisas recicladas do poeta
Com coisas se inventa
O estado das palavras sem conexões apenas inerte
Da ao poeta poder de criar
Uma lata antes de tudo é uma lata, antes de ser poluição capitalismo perigoso
O poeta detecta as mentiras para não repeti-las em declamações
A palavra comprova a mentira

Sacramento de poesia