quinta-feira, 12 de fevereiro de 2015

Dentro da Loucura

Homem navegado por lamúrias
Assombra essa noite em passos vagos
Deleitando sombras, viste amargos
Conjugá-lo sobejo de penúrias 

Ser puro em contínuos, contempla
Apenas o sol que fere as retinas
No terror que o amor cobre em propinas 
A vida lhe consome emblema

Mas como cáustico é amor em fulguras
Sabendo das noites que em ternuras
renasce um coração duro, madeiro

Entre voltas cargas que a secura
Distingue breve dentro da loucura
Sobre meu peito teu paradeiro 

Nenhum comentário:

Postar um comentário